Instruções para alguns EVSEs, contadores e inversores

É necessário definir um único Slave ID para cada controlador: cFos Charging Manager -> System Configuration -> Modbus

EndereçoCOMx,9600,8,n,1
Identificação de escravo1
Registos2001
Tipo16 bit word
Conde1
Valor a escreverNovo Slave ID
Escrever func16

Escreva

A partir daí, o controlador só ouve o novo Slave ID. Depois escreva um registo >= 2000 (por exemplo, o registo 2001 novamente com a nova identificação de escravo). Depois, o valor permanece activo após um reinício.

Definir todos os interruptores DIP e interruptores rotativos como padrão. Ajustar o interruptor rotativo para a corrente máxima na placa principal para 5 (16A / 11kW). Configurar o Modbus desejado Slave ID com DIP S4 de acordo com a tabela do manual. No Gestor de Carregamento, introduzir COMx,19200,8,e,1 como o endereço

Em cFos Charging Manager -> Configuração

EndereçoID do Ponto de Carga, tal como configurado no EVSE
IDID do conector, tal como configurado no EVSE

Em cFos Charging Manager -> Configuração do Controlador de Carregamento cFos: Habilitar "EVSE como cliente OCPP

IDConforme configurado no Gestor de Carregamento (o ID do conector é sempre 1)
ServidorURL do seu backend OCPP, incluindo o número da porta, por exemplo http://192.168.2.115:19520/. O "/" no final pode ser importante dependendo do backend - para cFos Charging Manager, o número da porta é sempre 19520

O interruptor rotativo do TWC deve ser definido para "F".
Cuidado: Pode ser necessário trocar os dois fios de ligação ao EVSE se não obtiver uma resposta.
Em cFos Charging Manager -> System Configuration -> Tesla TWC

Encontrar identificação

É feita uma tentativa para encontrar a identificação do Tesla TWC. Entretanto, apenas um TWC pode ser ligado. O ID tem 4 dígitos (em hexadecimal).
Em cFos Charging Manager -> Configuração

Endereço / IDIntroduza aqui os valores encontrados (endereço COM / ID)

O porto Modbus é sempre 502. O ID do escravo é normalmente 255. Para a Phoenix Contact pode também ser 180.
O Gestor de Carregamento cFos também deve funcionar com os modelos "Pro" da Wallbe (isto é, aqueles com balcões embutidos). Ainda estamos à procura de alguém com quem testar isto. Por favor, sinta-se à vontade para nos contactar!

OCPP: Configuração através da aplicação innogy eConfig

Uma vez estabelecida uma ligação ao EVSE através da aplicação innogy eConfig, clicar em "Business / Commercial" para configurar a configuração. Ao seleccionar o backend, seleccionar "3rd Party Backend". Para a rede, seleccione WLAN ou LAN dependendo da ligação; para WLAN, introduza também o SSID e a palavra-passe WLAN. Após a EVSE se ter ligado à rede, o backend pode ser configurado. Introduzir ws://x.x.x.x.x:p/ como o URL backend, onde x.x.x.x.x significa o IP do Gestor de Carregamento cFos na rede, por exemplo 192.168.2.111, e "p" significa a porta a ser utilizada (por exemplo 19500). No exemplo, o endereço era ws://192.168.2.111:19500/. Se a ligação ao backend tiver de ser encriptada SSL, o "ws" no início do URL deve ser substituído por um "wss". Em "ChargeBox ID", introduzir o nome sob o qual o EVSE reporta ao backend, por exemplo LP000123 ou CP456. Se o EVSE também se autenticar com uma palavra-passe, esta pode ser introduzida como opção. Neste caso, o nome do utilizador deve conter o mesmo valor que o campo ChargeBox ID.

OCPP: Configuração através da interface web do EVSE (a partir da versão de firmware 1.3.26)

A versão actual do firmware é apresentada na aplicação innogy eConfig depois de se ter ligado ao EVSE. A interface web pode ser acedida através de HTTPS (porta 443) sob o endereço IP do EVSE. Primeiro, deve ser estabelecida uma ligação à rede, conforme descrito acima. Em seguida, determinar o endereço IP do EVSE utilizando o router em uso (por exemplo, 192.168.2.111). A interface web pode então ser acedida através de um browser. Por favor, ignorar os avisos de certificado. Inicie sessão com "admin" e introduza o PUK da eBox como palavra-chave.
A configuração do OCPP é feita no menu "ECU", submenu "OCPP". Em ChargeBox Identity, é seleccionado um nome sob o qual a eBox reporta ao backend do OCPP, por exemplo LP000123 ou CP456. Para o URI do Ponto Final, introduza o URI do backend OCPP, por exemplo ws://192.168.2.111:19500/ para ligações não encriptadas ou wss://192.168.2.111:19500/ para ligações encriptadas. Se a eBox tiver de se autenticar adicionalmente com uma palavra-passe, esta pode ser introduzida em "Palavra-passe". Neste caso, o nome do utilizador deve ser o mesmo que o da ChargeBox Identity. Todos os outros parâmetros podem ser deixados nos seus valores por defeito. O parâmetro "Usar leituras relativas do contador" não deve ser activado. O parâmetro "Validar certificado do servidor" não deve ser activado. As definições são aceites com "OK". Se necessário, reiniciar a eBox através do menu "System -> Reset -> Router restart".

Funcionamento da Innogy eBox através do Modbus TCP no cFos Charging Manager

A partir do firmware 1.3.26, a Innogy eBox também pode ser operada através do Modbus TCP. A aplicação innogy eConfig pode ser utilizada para descobrir qual a versão de firmware disponível. A interface web da eBox pode ser configurada e chamada como descrito acima. As configurações do Modbus são feitas no menu LDP1 -> Gestão de carga. Seleccionar modbus_tcp como o tipo de gestão de carga. Seleccionar a rede a ser utilizada como interface, ou seja, net1 para LAN1, net2 para LAN2 e wlan1 para a rede WLAN. Em Port, a porta TCP a ser utilizada pode ser seleccionada. Para Modbus, esta é 502 por defeito. Clique em "OK" para aceitar as definições. Se necessário, reiniciar a eBox através do menu "System -> Reset -> Router Restart".

Infelizmente, não temos actualmente conhecimento de um registo Modbus para a leitura do kWh carregado. Ficaríamos gratos por qualquer informação sobre isto!

Aqui é necessária uma ligação de dois fios com cabo torcido (fio de campainha, cabo de rede). Na caixa do eMH1 encontrará uma tomada RJ12 que está ligada à RS485 na placa. Os (dois médios) pinos 3 e 4 são Modbus A e B. Portanto, é necessário um adaptador de RJ12 para dois fios. Uma vez que A e B não estão especificados para Modbus, poderá ter de trocar os fios se o EVSE não for acessível. O endereço é COM1,38400,8,E,1 (sob Windows e Raspberry possivelmente outra porta COM, por exemplo COM3). Poderá ter de configurar o EVSE para "Standalone" no programa de configuração ABL confcab. O ID Modbus aqui também pode ser definido para valores de 1 a 16, se necessário.

Especificar os seguintes parâmetros no Gestor de Carregamento cFos: Endereço: Número de série do EVSE (por exemplo EH123ABC), ID: sem significado, Utilizador: Nome de utilizador no EVSE Cloud, ou seja, endereço de e-mail ou número de telemóvel incluindo código de marcação internacional (por exemplo, +49), Palavra-passe: Palavra-passe para o nome de utilizador acima indicado no EVSE Cloud.

Introduza o endereço IP sob o qual o go-e pode ser alcançado na sua rede doméstica como o endereço.

Introduza o endereço IP sob o qual o EVSE pode ser alcançado na sua rede doméstica como o endereço. Para activar o protocolo KEBA UDP, deve colocar a chave DIP 1.3 no EVSE para "on". Também pode integrar a série x através do OCPP.

Introduza o endereço IP em que o EVSE pode ser alcançado na sua rede doméstica como o endereço. Alternativamente, pode também integrá-lo através do OCPP.

Integração via Modbus: Possivelmente desactivar OCPP, desactivar carregamento livre, activar Modbus, seleccionar Modbus Register Set TQ-DM100. Depois dirigir-se ao EVSE sob a porta 502, por exemplo, introduzir 192.168.2.111:502 como o endereço. Alternativamente, também pode integrá-lo através de OCPP: Introduza o URL de backend JSON OCPP (incl. porta) do cFos Charging Manager, por exemplo ws://192.168.2.123:19500/, depois comece a carregar com um RFID.

Testado pela última vez com sucesso com firmware Autoaid 1.1.805. Para configurar a caixa, descarregar a aplicação EVSE Mesh a partir da App Store. Em vez do backend EN+, deve ser introduzido o endereço IP e a porta do Gestor de Carregamento cFos. Se o endereço IP do Gestor de Carregamento cFos for 192.168.2.100 e a porta for 19520, deve introduzir o seguinte na caixa de parede do Autoaid: http://192.168.2.100 (não encriptado) e https://192.168.2.100 (encriptado). Porto: 19520. ws://" ou "wss://" também pode funcionar em vez de "http://" ou "https://". As ligações encriptadas estão actualmente por testar. No cFos Charging Manager, "EVSE com OCPP" deve ser seleccionado como o tipo de dispositivo e o OCPP Charging Point ID do Autoaid Intelligent deve ser introduzido como o endereço. O Charge Point Id é o número de série da caixa de parede que começa com SN. É apresentado na aplicação.

Definir a identificação como "inactiva" na configuração do EVSE. Configurar o tipo de estação de carregamento para "solução autónoma". Pode ser necessário atribuir um endereço IP fixo para que o EVSE esteja disponível na LAN (possivelmente desactivar o servidor DHCP do EVSE). Em "Energy Management", definir as opções "Charging current throttled" para 6A e "Local power reduction" para 16A. Em cFos Charging Manager, introduza o endereço do EVSE e porta 502, por exemplo 192.168.2.111:502, defina ID para 255. Se quiser operar o EVSE com OCPP, introduza um ws:... como o URL do back end. como o URL do back end, não wss:

Pode seleccionar Mennekes Amtron como o tipo de dispositivo, uma vez que esta caixa de parede tem o mesmo controlador de ebee ou Bender.

Modbus: Deve activar o Modbus no Hypercharger, caso contrário o cFos Charging Manager não pode definir a corrente de carga. Além disso, defina a potência de recurso em caso de falha de comunicação para um valor adequado para a sua aplicação e o tempo limite para 180 segundos. O tempo padrão de 5sec é demasiado curto. O Hypercharger assume a autorização e não transmite RFID através do Modbus. Se operar o Hypercharger com mais de um conector, o cFos Charging Manager não pode desligar os pontos de carregamento individuais, uma vez que a potência de carregamento é sempre definida para todos os pontos de carregamento em conjunto. Neste caso, deve haver sempre energia suficiente disponível no seu sistema para que nenhum processo de carregamento tenha de ser interrompido. A potência mínima de carga do Hypercharger é de 5kW. O Hypercharger tem tipicamente vários pontos de carregamento. Uma caixa de parede do tipo "Hypercharger Alpitronic" deve ser montada para cada ponto de carregamento. Além disso, o número do conector, começando por 0, deve ser introduzido nas definições do ladrilho em "Conector".

Modbus: Deve activar o Modbus na estação de carregamento (BigEndian). O Modbus ID 1 é utilizado para valores globais tais como o número de série. Modbus ID 2 é a primeira estação de carregamento ou a primeira ficha de um carregador rápido, Modbus ID 2, a segunda estação de carregamento, e assim por diante. Normalmente introduzir 0 como o número da ficha. Apenas a potência total de carregamento é transmitida via Modbus, ou seja, a utilização exacta da fase deve ser definida no Gestor de Carregamento no parâmetro "Fases".

S0 metros disparam um certo número de impulsos por kWh com uma saída de comutação. O número de impulsos por kWh deve ser definido correctamente. A cablagem é feita com fio de par trançado (fio de campainha, linha telefónica, cabo de rede). Como as saídas de comutação são normalmente saídas semicondutoras, as linhas S0 no contador podem ter de ser alteradas. Ao ligar ao Controlador de Carregamento cFos, evitar curto-circuitos de 12V, que podem destruir o controlador. Clique aqui para informações detalhadas sobre os medidores S0.

Seleccionar o tipo de contador apropriado e utilizar uma linha de dois fios (linha telefónica / cabo de rede) para ligar os contactos A a A e B a B, criando assim um autocarro. Para comprimentos de linha de 10m ou mais, recomendamos resistências de terminação de 120 Ohm, 1/4 Watt em ambas as extremidades do autocarro. Uma vez que A e B não estão normalizadas, poderá ter de trocar os fios. Cada dispositivo no autocarro tem uma identificação única que deve ser introduzida para além do endereço. Introduza COMx,baud,bits,paridade,pára como endereço, por exemplo COM1,9600,8,N,1 onde x é a porta COM na qual a sua linha de dois fios está ligada: Para o Controlador de Carregamento cFos, sempre COM1. Para Windows e Raspberry tem de descobrir a porta COM do seu adaptador RS485. Baud, bits, paridade, paragens podem ser encontrados no manual do contador. Para ABB normalmente 19200,8,N,1, para Eastron 9600,8,N,1, para Orno e ZZ4 D513020 9600,8,E,1. Cada dispositivo na UTR Modbus (dois fios) deve ter uma identificação única. Se operar várias unidades num só autocarro, poderá ter de mudar o ID nas unidades. Isto pode ser feito utilizando os botões de controlo do contador ou com o Modbus UI no Gestor de Carregamento em "Configuração".

Para o Bauer BSM, seleccione SunSpec como o tipo de dispositivo, a porta COM à qual ligou a ligação de 2 fios. Seleccione 19200,8,E,1 como o parâmetro de interface e 42 como o ID. Se tiver definido outros parâmetros no contador, seleccione-os em conformidade.

O medidor Powerfox envia os seus dados para a nuvem do fabricante. Pode então recuperar estes dados com o Gestor de Carregamento cFos. Digite o seguinte endereço: _COPY10@backend.powerfox.energy/api/2.0/my/main/current. Aqui, 'utilizador' é o seu nome de utilizador e 'pwd' a sua palavra-passe. Se o seu nome de utilizador contém um @, deve substituí-lo por %40, por exemplo claus@example.com torna-se claus%40example.com.

O Shelly 3EM está ligado à rede da casa e pode então ser endereçado via HTTP API. O endereço é então, por exemplo, _COPY1@192.168.2.111. Aqui 'user' é o seu nome de utilizador e 'pwd' a sua palavra-passe (se o seu nome de utilizador contiver um @ deve ser substituído por %40, por exemplo claus@example.com torna-se claus%40example.com).

Seleccionar "Elgris Smartmeter" como o tipo de dispositivo. O medidor pode ser integrado através do Modbus TCP. Introduza o endereço com o qual o contador está registado na rede doméstica e porta 502, por exemplo 192.168.2.111:502. O ID é normalmente 1.

Recomendamos que experimente sempre primeiro o tipo de dispositivo 'SunSpec Solar Inverter' para equipamento fotovoltaico. Introduza o endereço IP sob o qual o dispositivo está registado na sua rede doméstica como o endereço. O porto é frequentemente 502 (ou 1502), por exemplo 192.168.2.111:502. Poderá também ter de introduzir o ID correctamente, uma vez que alguns fabricantes mostram diferentes dispositivos sob certos IDs. Se necessário, consulte a documentação do fabricante. Para alguns dispositivos, o Modbus TCP deve também ser activado. SunSpec é uma padronização para diferentes modelos de dispositivos. Vários modelos podem ser mapeados numa só unidade, que pode ser seleccionada (se necessário). Aqui está informação sobre os parâmetros SunSpec. Também pode configurar o registo SunSpec Start se o endereço IP da unidade estiver correcto mas não for encontrada nenhuma unidade SunSpec. Se precisar de um modelo SunSpec específico (e quiser excluir outros), pode usar o "SunSpec Model Index" para fazer o Gestor de Carregamento saltar os registos dos modelos anteriores. Para mais informações sobre o Registo de Início SunSpec e a encomenda dos modelos SunSpec na sua unidade, consulte por favor o manual do fabricante.

O Gestor de Carregamento cFos também tenta encontrar armazéns que sejam legíveis de acordo com a SunSpec. Se o seu armazenamento suporta SunSpec, pode seleccionar SunSpec para este tipo de dispositivo de medição.

Digite o endereço IP sob o qual o inversor SMA está registado na sua rede doméstica como o endereço. O porto é tipicamente 502, por exemplo 192.168.2.111:502. O Id é frequentemente 3. Depois pode primeiro tentar seleccionar 'SunSpec Solar Inverter' como o tipo de dispositivo. Se o inversor não puder ser lido (significativamente) desta forma, pode tentar o tipo de dispositivo 'SMA Inverter'.

As unidades E3/DC podem ser abordadas de diferentes maneiras. Deve experimentar primeiro o dispositivo do tipo 'SunSpec Solar Inverter'. Em alternativa, existe o Modo Simples E3/DC que pode seleccionar com o tipo de dispositivo 'E3/DC Solar Device'. Introduza o endereço IP sob o qual o dispositivo está registado na sua rede doméstica como o endereço. A porta é 502, por exemplo 192.168.2.111:502. Id provavelmente 1. no Modo Simples, deve também introduzir um registo para leitura do valor de potência desejado (que depois se refere a todas as fases em conjunto) ou um medidor de potência (que permite a leitura dos valores de potência relacionados com as fases) em 'Registo ou Medidor de Potência'. Os valores válidos para os medidores de potência são 0-7. Aqui está uma lista de registos. Nota: É necessário activar Modbus e Modbus/TCP no E3/DC.

Seleccione 'SunSpec Solar Inverter' como o tipo de dispositivo. Introduza o endereço IP do inversor Fronius como o endereço, seguido de :502 como o número da porta. Como Id, Fronius usa normalmente 1 para o inversor e 240 para o Smartmeter. Também pode tentar 200, 201, 202, 203 ou 204. Para mais informações, consulte a documentação do respectivo dispositivo.

Em ligação com inversores, Kostal oferece um contador que pode medir bidireccionalmente a rede de alimentação. Seleccione 'Kostal Powermeter' como o tipo de aparelho. Introduza o endereço IP do inversor Kostal como o endereço, a porta é frequentemente 1502 (por exemplo 192.168.2.111:1502). 71 é muitas vezes utilizado como ID.

Nota: Em quase todos os casos é melhor seleccionar o tipo de dispositivo 'SunSpec Solar Inverter / Meter' para inversores Kostal e Smartmeter. Só se isto não for possível, deverá utilizar 'Kostal Inverter HTTP'.
Seleccione 'Kostal Inverter HTTP' como o tipo de dispositivo. Introduza o endereço IP do inversor Kostal como o endereço. A versão do inversor deve ser suficientemente nova. Se necessário, actualizar o firmware do inversor. Testado com um Piko 7.0 mais recente.

O KSEM pode ser operado como dispositivo tipo SunSpec com o seu endereço IP e porta 502, por exemplo 192.168.2.111:502. Introduzir 0 como ID.

A SMA Homemanager transmite periodicamente os seus dados como UDP multicast a todos os participantes da rede. Por conseguinte, não é necessário especificar um endereço. Deve assegurar-se de que a sua rede encaminha multicasts UDP. Isto é frequentemente bloqueado na WLAN e deve, portanto, ser activado no seu router.

Para dispositivos SolarLog e Sonnen, pode seleccionar a função que o dispositivo tem no tipo de dispositivo, por exemplo 'SolarLog Production' ou 'Sonnen Production HTTP'. Em seguida, introduza o endereço IP com o qual o dispositivo está ligado à sua rede doméstica como o endereço. Para SolarLog, adicione a porta 502, por exemplo 192.168.2.111:502, para Sonnen adicione um http:// na frente, por exemplo http://192.168.2.111.

Obrigado, Rainer Z., por estas instruções!
Há duas possibilidades de integração: Modbus RTU (dois fios) e Modbus TCP (através da rede doméstica). O Modbus TCP deve ser seleccionado se for utilizado o dongle Huawei. Isto fornece uma ligação WLAN ou uma ligação LAN. No entanto, versões mais antigas de firmware causam frequentemente problemas. A própria Huawei recomenda as seguintes versões de firmware para Modbus TCP: Device Minimum Firmware Version SDongleA-05 V1000R001C00SPC124, SUN2000L V2000R001C00SPC115, SUN2000MA V1000R001C00SPC139 (actualmente testado com dongle versão V100R001C00SPC127 e inversor versão V100R001C00SPC141). Se necessário, pedir ao instalador que os actualize com os pacotes disponíveis no website da FusionSolar ou contactar eu_inverter_support (em) huawei.com. O inversor também pode ser actualizado pelo cliente, desde que esteja disponível o acesso ao menu de instalação. Do mesmo modo, o Modbus TCP deve ser activado neste menu de instalação:

  • Ligar o telemóvel ao inversor através do hotspot Wi-Fi do inversor. Se não estiver configurado, os dados do hotspot estão localizados como um autocolante com código QR no dongle (por defeito: SUN2000-xxxxxxxx)
  • Iniciar a actual aplicação FusionSolar
  • Confirmar a mensagem "O acesso falhou"
  • Abrir o menu de três pontos (canto superior direito)
  • Seleccionar o arranque da unidade
  • Entrar na unidade (por exemplo, SUN2000-xxxxx-xx) em "Registo de ligação". Se o instalador não tiver alterado os parâmetros, a palavra-passe é 00000a
  • Em Definições → Communication Configuration → Dongle Parameter Settings → Modbus TCP, definir a definição "Connection" para "Enable (unrestricted)" (Activar (sem restrições)".
Se o Modbus TCP deixar de funcionar após uma actualização do dongle, esta activação do Modbus TCP deve ser repetida. Em Maintenance → "Update Device", o software dos dispositivos pode ser actualizado, com excepção da dongle. As consultas Modbus TCP são de certa forma críticas em termos de tempo com Huawei, pelo que não devem ser consultados valores em duas instâncias. Para o carregamento de excedentes solares, o contador "Huawei SUN 2000 Meter" deve ser seleccionado. O IP do inversor Huawei deve ser seleccionado como o IP, bem como o seu ID (na maioria dos casos 1). O porto é 502, por exemplo 192.168.2.111:502. O medidor de referência da rede mostra valores negativos para a referência da rede e valores positivos para o feed-in. Por conseguinte, deve inverter o contador nas definições do contador no Gestor de Carregamento cFos.

Nota: Para o Controlador de Carregamento cFos a porta COM é sempre COM1.